Sanidade Vegetal: Uso de Drones pela Adapar

No dia 26 de março de 2019, a Adapar realizou testes com a utilização de Aeronave Remotamente Pilotada – ARP, também conhecida como “Drone”, para a realização de levantamento fitossanitário em 3 áreas com cultivo de bananas, no município de Andirá. Essas áreas foram inspecionadas para o levantamento de detecção da praga quarentenária Moko da Bananeira (Ralstonia solanacearum raça 2).

Essa atividade é um complemento das ações planejadas no Projeto ASA – Aerolevantamentos para a Sanidade Agropecuária, que prevê a utilização de Drones para auxílio nas atividades desenvolvidas pela Defesa Sanitária Vegetal no Paraná. O projeto foi prontamente apoiado por toda diretoria da agência.

Segundo o Coordenador do Programa de Fiscalização e Uso do Solo Agrícola, Luiz Renato Barbosa, que também é um dos idealizadores e responsável pela inicialização do projeto ASA, o uso de Drones já está em testes finais para utilização nas fiscalizações de rotina da Adapar em propriedades rurais com problemas de conservação dos solos.

Para o Coordenador do Programa de Vigilância e Prevenção de Pragas da Fruticultura, Paulo Marques, que também acompanhou os trabalhos em Andirá, a utilização de Drones pela Adapar deve ser ampliada também para as demais áreas de vigilância fitossanitárias desenvolvidas pela Gerência de Sanidade Vegetal. “O uso de Drones em levantamentos fitossanitários na bananicultura, é um exemplo da potencialidade de uso dessa ferramenta e amplia a capacidade de vigilância, proporcionando mais agilidade nas ações de prevenção e controle de pragas”, afirma Marques.

Além dos coordenadores de solos e fruticultura, também participaram do levantamento, o fiscal de defesa agropecuário Valdir Lourenço, da ULSA de Bandeirantes, e o Geógrafo Msc. Pedro Gluguielmi da SEAB/DERAL, doutorando na área de geoprocessamento, que será responsável pelo treinamento de fiscais da ADAPAR para o uso de Drones.

Fonte: ADAPAR