Fábrica em SP reciclará até 44 mi de embalagens de defensivos por ano

Uma nova unidade da Campo Limpo Tampas e Resinas Plásticas foi aberta no município de Taubaté, São Paulo. A fábrica, com capacidade para processar 44 milhões de embalagens por ano, será responsável por transformar tampas de pesticidas pós-consumo em sistemas de vedação dessas embalagens – as chamadas Ecocap.
No sistema de fabricação, as tampas devolvidas pelos agricultores são moídas e, após o processo, transformadas em resinas pós-consumo 100% recicladas para que, então, seja produzida a Ecocap. A tampa do Sistema Campo Limpo é indicada para o envasamento de defensivos agrícolas. Além disto, pode ser manuseada para o fechamento de óleos lubrificantes e fertilizantes foliares.
Além da nova fábrica para a vedação de embalagens de defensivos agrícolas, o Complexo Industrial da companhia inclui também as Ecoplásticas – a fabricação de embalagens recicladas para a indústria de agroquímicos produzidas a partir do material recebido pelo sistema Campo Limpo. A nova instalação em Taubaté fez com que a área ganhasse mais 4.500 m², se expandindo para um total de 23.000 m² construído.
Vale lembrar que a lei federal nº 9.974, de 6 de junho de 2000, determina no 2º parágrafo do artigo 1° que os usuários de agrotóxicos, seus componentes e afins deverão efetuar a devolução das embalagens vazias dos produtos aos estabelecimentos comerciais em que foram adquiridos, seguindo as instruções previstas nas respectivas bulas, no prazo de até um ano, contado da data de compra, ou prazo superior, se autorizado pelo órgão registrante. A devolução pode ser intermediada por postos ou centros de recolhimento, desde que autorizados e fiscalizados pelo órgão competente.
Atualmente, o Brasil é referência mundial na destinação ambiental correta dos pesticidas agrícolas – encaminhando cerca de 94% de embalagens plásticas primárias para reciclagem ou incineração. Confira abaixo imagens da nova fábrica no município de Taubaté.

Fonte: Portal DBO
Texto e foto: Ricardo Soares